Agora é oficial…

O Feito Café estreia, orgulhosamente, o blog “Dedos de café & linhas de prosa”, que vai divulgar as novidades, curiosidades e a própria rotina do duo formado por este que vos escreve – Hugo Oliveira – e Lê Pacheco.

A ideia é alimentar este espaço diariamente com tudo que possa interessar àqueles que curtem as músicas e letras criadas pelo duo, na intenção de aproximar ainda mais o Feito Café de seus admiradores.

Devolver todo o apoio que recebemos em dobro, às pessoas que tiraram quatro, três minutinhos de suas vidas para ouvir uma canção da gente, não é apenas um gesto de gratidão: é uma obrigação prazerosa.

Em tempos de internet, redes sociais etc., saber que existe alguém, em algum canto do mundo, que se identificou com uma música interpretada pelo Feito Café e, mais do que isso, tomou essa canção para si, é uma alegria que não se mede. Felicidade define.

Um pouco antes deste site, lançamos o nosso primeiro EP, Barbacena, uma obra muito simples e sincera. Esbocei grande parte das letras do EP numa viagem que eu e Letícia fizemos a Barbacena, em Minas Gerais, quando visitamos um querido casal de amigos.

Sempre tive muita dificuldade para dormir em viagens, em qualquer tipo de meio de transporte. Utilizo esses momentos solitários – provavelmente motivados por uma ansiedade crônica – para relembrar passagens importantes da minha vida, refletir sobre o que está acontecendo na atualidade, sonhar… E escrever letras de canções.

“Erro, não nego; acerto quando puder”, “Seu e sim” e nosso primeiro single avulso, “Feito café”, certamente estavam entre as músicas que nasceram na ida e na volta a Barbacena. Inclusive, uma canção ainda não lançada, intitulada “Barbacena”, também veio ao mundo em meio ao trajeto que leva ao lar de Felipe e Thaty.

Ora, mas por que não lançar a música “Barbacena” no EP de mesmo nome? Resposta: por puro preciosismo de minha parte. Preciosismo de quem é fanático por cultura pop e que um dia, ainda moleque, comprou o disco Waiting For The Sun, da banda americana The Doors, e viu que a música que dava nome ao álbum estava no disco seguinte do quarteto, Morrison Hotel.

Por aqui, a música – e seus pormenores – é o que manda. Fico feliz que você também está com a gente nessa. Até logo!